Pesquisar este blog

quinta-feira, junho 08, 2017

Barulhos


       Bocas amordaçadas querendo falar. Bocas falando sem ter o que dizer. As pessoas não gostam de silêncio e acabam por tentar preenche-lo a todo custo.
   Eu gosto de me lembrar da surpresa na voz de quem me encontrou passeando sozinha pela rua. Minha própria companhia não seria o suficiente?
   As vezes opto por ouvir quem sabe cantar no lugar de ouvir o caos do mundo. As vezes prefiro não ouvir nada. As vezes ao não ouvir nada acabo ouvindo tudo.
   Em uma tentativa recente de treinar os ouvidos fui separando os mais diferentes sons que cruzavam comigo em uma manhã de domingo. De um lado da cidade a festa do dia anterior cogitava acabar, do outro, os pássaros acordavam. O trem passava lá longe e meus passos nunca pareceram tão altos e violentos como na rua vazia. Eu não pensava, não sentia, só ouvia.
   Senta aqui, ouve meu coração.
   Senta aqui, me deixa te dizer o que tenho guardado todo esse tempo.
   Senta aqui e não me deixa te perder enquanto viramos adultos.

segunda-feira, abril 24, 2017

Sobre o amor (quando ele fica)


Éramos como duas crianças aprendendo a brincar. Ao auge dos meus vinte e poucos anos aprendi com você sobre o que é amar. As vezes o peito explode, a mente voa e eu, perdida, perco completamente o controle sobre a vida. E era com saudade, ciúmes, carinho, carência, sorrisos, aflições e outros inúmeros sentimentos que eu tentava entender tudo isso.

Ah, meu bem, tenha paciência comigo que estou aprendendo que não se entende o amor.

Ah moreno, se você soubesse sobre os dias que perco com o pensamento pairando sobre você. Se soubesse da imagem gravada na memória do seu sorriso franzindo o nariz ou dos seus olhos escuros me fitando. Se soubesse das lágrimas derramadas ou dos sorrisos bobos.

Eu, que sempre me achei inteira, descobri coisas que nunca existiram aqui, nesse peito medíocre que carrego comigo. E foi, nos seus braços que as risadas vieram da alma e o espírito de criança voltou a me habitar. Agradeço a ti pelo brilho nos olhos que redescobri e pelo frio na barriga enquanto corro pra te ver mais uma vez.

Nunca pensei ser possível gostar tanto de alguém.